aguia

relogio

palavras

- FAÇA COMO AS ÁGUIAS Quando as tempestades da vida Surgem escuras à minha frente, Me recordo de maravilhosas palavras Que uma vez eu li. E digo a mim mesmo: Quando pairarem nuvens ameaçadoras, Não dobre suas asas E não fuja para o abrigo. Mas, faça como a águia, Abra largamente as suas asas E decole para bem alto, Acima dos problemas que a vida traz. Pois a águia sabe Que quanto mais alto voar, Mais tranqüilos e mais brilhantes Tornam-se os céus. E não há nada na vida Que Deus nos peça para carregar Que nós não possamos levar planando Com as asas da oração. E ao olhar para trás Verá que a tempestade passou, Você encontrará novas forças E ganhará coragem também. A paz do senhor !!

Seguidores

cabecinha

AMIGOS CURTI ESSA PAGINA NO FACEEBOK DEUS TE ABENÇOE

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Águia Pesqueira

Nome científico: Seu nome científico é Pandion haliaetus. É o único membro da família dos Pandionídeos, ordem dos Falconiformes.
Outro nome: Gavião-pescador ou Águia-pescadora, nome comum de uma ave de rapina cosmopolita, que na América Latina também é conhecida como águia-do-mar, guincho ou sangual. Recebe também os nomes de águia-pesqueira e gavião-papa peixe.
Águia Pesqueira
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Pandionidae
Envergadura: até 1,70 m

Alimentação

Alimenta-se exclusivamente de peixes.

Ninhos

feitos de galhos secos, algas e musgo, são construídos no alto das árvores ou sobre os rochedos. Aí a fêmea choca seus quatro ovos durante cinco semanas.

Filhotes

4 ovos
Tempo de incubação: 5 semanas
Tempo de permanência dos filhotes no ninho: 30 dias

Habitat

Vive na parte ocidental da América do Norte, América Central e Antilhas, de onde emigra para a América do Sul. Habitam as regiões costeiras ou próximas de lagos e rios. No fim do verão, as águias-pesqueiras deixam a região onde reproduzem e partem para o sul. Mas, na primavera seguinte cada casal vem procriar exatamente no mesmo lugar.

Características físicas

As águias-pescadoras ou marinhas têm bicos mais longos e pesados que os das águias-reais. Além disso, carecem de penas na parte inferior das patas. A barriga é branca, asas escuras e possuem uma faixa escura do olho à nuca.
Ao contrário da maioria das aves pescadoras, que apanham os peixes com o bico, a águia-pesqueira, ou aurifrísio, como também é chamada, pega-os com suas garras de unhas compridas e dedos escamados e rugosos. Assim, depois do vôo em mergulho - às vezes, de mais de 100 m de altura, a águia-pesqueira precisa se endireitar para agarrar o peixe.
Dizimada pelos caçadores, envenenada pelos inseticidas absorvidos pelos peixes, a águia-pesqueira é, além disso, vítima dos ladrões de ovos (gralhas, gaivotas e colecionadores). por isso, é cada vez mais rara na Europa e na América do Norte.
Fonte: www.felipex.com.br
Águia Pesqueira
Águia-pesqueira, exímia pescadora, embora tenha uma vasta distribuição mundial, tem sofrido um declínio acentuado em diversas regiões. Em Portugal só resta um macho da população nidificante, que tenta atrair uma companheira desde 1997.

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS

A Águia-pesqueira (Pandion haliaetus) é uma ave de rapina de grande porte, com asas compridas e estreitas. É facilmente reconhecida pela sua plumagem castanha nas regiões superiores, contrastando com as zonas inferiores esbranquiçadas; a superfície ventral das asas apresenta um padrão constante acastanhado, com as “axilas” brancas. A cabeça é branca e os olhos amarelos com uma lista ocular castanho-escuro. No pescoço é visível um colar formado por finas riscas verticais de cor escura. A cauda é barrada, de cor castanha. Os juvenis têm as penas da parte superior do corpo orladas de branco-amarelado e os olhos vermelhos. Apresenta várias adaptações morfológicas ao tipo de alimentação: patas grandes e fortes, garras longas e curvadas, superfície inferior dos dedos coberta por pequenos espinhos e o dedo exterior reversível.

DISTRIBUIÇÃO E ABUNDÂNCIA

É uma espécie cosmopolita, já que se encontra em todos os continentes; as maiores áreas de reprodução situam-se na América do Norte, na Europa e na Ásia. No Paleárctico Ocidental ocorre sobretudo no Centro e Norte da Europa, sendo relativamente comum na Escandinávia e Finlândia e nalgumas regiões da Rússia. No Sul da Europa e Norte de África é mais rara e apresenta uma distribuição localizada.
Durante o século XIX e início do século XX, a Águia-pesqueira sofreu um acentuado declínio a nível mundial, chegando mesmo a extinguir-se em várias regiões da Europa. Os efectivos populacionais mundiais estimam-se hoje entre 20.000 e 30.000 casais. Nota-se alguma recuperação, apoiada por medidas de conservação, no Reino Unido, Noruega e Suécia, embora continue em crescente declínio em França, Finlândia, Alemanha, Polónia, Península Ibérica, Canárias e Cabo Verde, bem como em grande parte da América do Norte.
Em Portugal a fêmea do último casal reprodutor morreu em 1997 e o macho só conseguiu encontrar uma fêmea para tentar acasalar na Primavera de 2000, mas sem sucesso; no ínicio da época de reprodução de 2001 foi vista ainda a fêmea, mas desta vez não se verificou tentativa de acasalamento. Ocorrem no nosso país alguns indivíduos durante a passagem de migração e no Inverno, mas sempre em pequenos números e sem se fixarem. No início do século seria um nidificante comum ao longo da costa, desde Leiria até ao Algarve, tendo decrescido rapidamente até apenas dois casais nidificantes na Costa Sudoeste, no início dos anos oitenta.
Águia Pesqueira

ESTATUTO DE CONSERVAÇÃO

No Livro Vermelho dos Vertebrados aparece com estatuto de “Em Perigo” (SNPRCN 1990). Está, no entanto, desde 1997 extinta no nosso país como reprodutora, ainda que em 2000 tenha havido uma nova tentativa de nidificação.

FACTORES DE AMEAÇA

Os principais factores que levaram ao declínio da espécie prendem-se com a perseguição, a perturbação e a perda de locais de reprodução, mas igualmente com a poluição das águas. Também em Portugal a perseguição directa e a perturbação dos locais de nidificação parecem ter conduzido à diminuição da população reprodutora.
Na Costa Alentejana onde se encontravam os últimos casais, a introdução do perímetro de rega alterou profundamente o planalto litoral anteriormente isolado. O incremento agro-pecuário sofrido trouxe consigo um aumento da presença humana, intolerável para a espécie. A caça ao Pombo-das-rochas (Columbia livia), através de uma linha contínua de abrigos para caçadores ao longo da costa, representou uma verdadeira ameaça, já que implicou o abate de águias-pesqueiras. Também a pesca à linha tem aumentado desmesuradamente, de forma que os pesqueiros explorados ocupam todos os locais potencialmente ideais para a instalação de novos casais.
Águia Pesqueira

HABITAT

Esta espécie encontra-se normalmente associada a zonas húmidas de média ou grande dimensão, águas doces, salobras ou salgadas. Na faixa litoral frequenta essencialmente zonas costeiras, estuários e lagoas, enquanto no interior surge em barragens, açudes e cursos de água.
A população mediterrânea é estritamente costeira, mas noutras zonas da Europa, nidifica no interior, perto de lagos, lagoas ou rios. Durante a migração podem, por vezes, fazer uso de canais, tanques ou pequenos reservatórios de água onde exista alimento disponível.

ALIMENTAÇÃO

Águia-pesqueira alimenta-se quase exclusivamente de peixe, tanto dulçaquícolas como marinhos. As presas mais frequentes em Portugal são, nas zonas costeiras, os sargos e os robalos. Os ambientes estuarinos constituem também uma reserva importante de alimento, que inclui tainhas, entre outras espécies. De entre as espécies de água doce salientam-se as carpas como presas preferidas. O consumo diário ronda as 200-400 g de peixe.
O alimento é obtido debaixo de água, mergulhando a partir de uma altura variável, desde os 5 até aos 70 m. Mantém uma posição no ar enquanto procuram a presa, peneirando ou planando, lançando-se de seguida com uma inclinação de cerca de 45º, capturando-a com as patas esticadas para a frente.
Embora raramente, pode incluir na sua dieta pequenos mamíferos, aves, répteis, anfíbios e também crustáceos e outros invertebrados.
Águia Pesqueira

REPRODUÇÃO

Escolhe zonas com pouca perturbação e com reservas consideráveis de peixe para nidificar. Na Europa, a população da Escandinávia, Escócia e Polónia nidifica em árvores perto de lagos de água doce, enquanto a população mediterrânea nidifica em escarpas e ilhéus costeiros. Algumas aves são mais tolerantes à presença humana e escolhem, para fazer o ninho, construções diversas como moinhos, torres ou velhas ruínas. Em Portugal, o último casal reprodutor nidificava num ilhéu rochoso na Costa Sudoeste.
O ninho fica situado no topo das árvores ou rochedos, sendo muito robusto devido aos ramos fortes exteriores, mas também muito cómodo devido aos ramos mais finos, ervas e musgo que revestem o interior.
A época de reprodução estende-se de meados de Março a princípios de Junho. Faz apenas uma postura composta por 2-3 ovos. O período de incubação prolonga-se por 34-40 dias e a emancipação das crias acontece ao fim de 49-57 dias.

MOVIMENTOS

Espécie migradora, é essencialmente um visitante de Verão no Paleárctico Ocidental, já que os registos no Inverno são raros na Europa Central e do Norte. Estas populações passam o Inverno nas zonas costeiras da África Ocidental. As populações meridionais são essencialmente residentes. A invernada na bacia mediterrânica é normalmente considerada pouco importante.
Nas populações migradoras, nos meses de Setembro/Outubro, muitos adultos já atingiram o Mediterrâneo e, na chegada a África, os destinos são frequentemente a Nigéria, Gabão, Zaire, chegando mesmo ao Senegal. São muitos os juvenis que permanecem nos locais de invernada no seu primeiro Verão. Os adultos iniciam o regresso aos locais de reprodução em Março/Abril e os juvenis seguem-lhes as pisadas aproximadamente um mês depois. As aves que chegam a Portugal são originárias da Europa Setentrional e das Ilhas Britânicas.
Águia Pesqueira

CURIOSIDADES

A Águia-pesqueira parece apresentar comportamentos frequentemente solitários. No entanto, fora da época de reprodução podem encontrar-se concentrações de mais de 25 indivíduos perto das zonas de pesca, ao longo da costa dos sítios de invernada.
Entre outros apelidos que lhe foram dados em diferentes regiões do país, “Guincho” foi talvez o mais frequente, suspeitando-se até ser esta a origem do nome da conhecida praia do Guincho, um pouco a norte de Cascais.
Seria costume entre os aldeões das localidades do país onde a espécie terá nidificado, a violação dos ninhos mais acessíveis para recolha dos peixes trazidos pelos progenitores às crias. Punham no bico das pequenas águias um pedaço de cana atada por um cordel, de tal forma que estas eram incapazes de ingerir as presas trazidas pelos progenitores.

Um comentário: